Encruzilhada

Encruzilhada

terça-feira, 30 de abril de 2013

Um poema por dia - 24/04 - Preto Velho

24/04

Preto Velho

Que estranha forma vem na noite
Se mostra pra mim à distância
Desce o cavalo, dá-lhe o coice
Vem-se o velho, pra mim avança

Traz cachimbo, patuá, chapéu
Chega perto, sem me deixar dizer nada
Levanta  dedo, me mostra o anel
Me mete medo e bota o pé na estrada

Some no escuro o preto
Vai qual fumaça no ar
Se espalha com dor, em segredo
Gargalha seu canto, o pesar.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Um poema por dia - 23/04 - Todo dia

23/04

Todo dia

Você levanta pro dia
Cumprimenta, sorriso simpático
A caminho de mais um pedaço de vida
Acordado e feliz, no piloto automático

O mesmo lugar
A mesma gente
O mesmo olhar
Indiferente

Inofensivo
Uma ofensa
Sujeito bicho
Que não pensa

E segue
'Deixa a vida me levar'
Entregue
Ao que vier, ao que passar

Vai passar
De hoje, da hora
Sem chegar
A lugar nenhum
Amanhã, nem depois, nem agora

Digo não, Zeca
Pego o que é meu;
Tô saindo dessa
Quem leva minha vida sou eu.

domingo, 28 de abril de 2013

Um poema por dia - 22/04 - José e Pilar

22/04

José e Pilar

Para José Saramago e Pilar del Río

Apaixonam-se
Inspiram-me
Lhes escrevo um poema

Os invejo
Admiro
Lhes faço de tema

Seu amor
Sintonia
Numa cor
De quase magia

José e Pilar se completam
Se conectam
São dois, são um
São eles, só
São.

Por isso lhes escrevo, lhes digo
Por isso lhes conto, em capricho
Que são um casal mui querido
"Encontremo-nos noutro sítio".

sábado, 27 de abril de 2013

Um poema por dia - 21/04 - Cante!

21/04

Cante!

Cante
Até o mais alto agudo
Suba a voz, solte tudo
Mãos inquietas
Batidas secretas
Da alma
Balada da calma
Entoe o refrão
Na veia, pressão
Cante em equilíbrio,
Em harmonia
Cante em qualquer lugar
Esta melodia
Sua própria anarquia:
Ainda que errante, adiante,
Cante!

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Um poema por dia - 20/04 - O tempo e nós

Como expliquei há três posts, perdi meu caderninho de poema com algumas poesias inéditas, reescrevi as poesias e depois acabei reencontrando o caderno. Resolvi então publicar as duas versões de cada um desses poemas reescritos.

Esta poesia é dedicada a J.B. Priestley e aos amigos que estão encenando 'O tempo e os Conways' na Casa da Gávea.

20/04

O tempo e nós                         tempo e nós
(1ª versão)                                               (2ª versão)

O tempo me leva                                      Chega o tempo
Me leva de volta                                       Chega e me leva
De volta carrega                                       Me leva e me entrega
Carrega e me solta                                    Me entrega um lamento

Me solta no tempo, a observar                   Lamento de vida
Observar paisagem                                   Vida vivida
Paisagem no ar                                         Vivida em paisagem
                                                              Em paisagem distante
No ar de seu tempo, parada em parada      
Parada pra ver, pra ver e ouvir                 Distante um do outro
Pra ver e ouvir, partida e chegada            Outro e um são o mesmo
Partida e chegada, e o tempo a sorrir        São o mesmo pedaço
                                                              O pedaço lançado
Sorrir com o tempo, a se alcançar              Lançado à ventura
Alcançar entre nós                                    Aventura imortal
Entre nós viajar                                       
                                                              Imortal no geral
Viajar, o tempo, sem ter pr'onde ir            Do geral assistindo
Sem ter pr'onde ir, alegria e lamento         Assistindo de um ponto
Lamento e alegria, os dois a se unir           De um ponto a um momento
Os dois a se unir, sob os olhos do tempo.   O momento de nós
                                                                             De nós todo o tempo.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Um poema por dia - 19/04 - Pensando e criando


Como expliquei há dois posts, perdi meu caderninho de poema com algumas poesias inéditas, reescrevi as poesias e depois acabei reencontrando o caderno. Resolvi então publicar as duas versões de cada um desses poemas reescritos.

19/04

Pensando e criando                    Pensando e criando
(1ª versão)                                                    (2ª versão)

Pensar, criar,                                                 Pensa, pensa, pensa e cria
Pensamento é criação                                     Criatura e pensamento
Criação, consentimento                                  Criação e poesia
Dentro de opinião                                          Cria mundo, meu invento

Ao natural, nada se faz                                    Joga fora opinião
Deitado, são; sozinho, em paz                         Do que vem de outro lado
Me vem o acaso, constrói a cena                      Faz que sim e faz que não
Cria minha questão, me dá problema                Faz que só fica parado

Nem resolver, nem solução;                             Me provoco e te invoco
A responder, inquietação                                 Desafio, te procuro
No caos começa, do caos se tira                       Me incluo, me sufoco
Do caos se pega, no caos termina                     Num vazio, num escuro

Sobrevoando, a habitar                                   Questão: problematizar
Problematizando, manipular;                            Intenção: me responder
Filosofia, conceito em parte,                            Não resolver nem solucionar
Ciência, mundo, criar em arte.                         Pensar, pensar; criar, fazer.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Um poema por dia - 18/04 - Queria que pudesse me ver agora

Como expliquei no post anterior, perdi meu caderninho de poema com algumas poesias inéditas, reescrevi as poesias e depois acabei reencontrando o caderno. Resolvi então publicar as duas versões de cada um desses poemas reescritos.

18/04

Queria que pudesse me ver agora            Queria que pudesse me ver agora
(2ª VERSÃO)                                                     (1ª VERSÃO)                      

Queria que pudesse me ver agora                      Queria que pudesse me ver agora
Onde cheguei                                                   De pé, debaixo da luz
Por onde vim                                                   No ritmo da fala que me conduz
O que deixei
                                                                       Ao encontro
Entre passos e abraços                                       De eu comigo mesmo
Pensamentos e pedaços                                     Que seja
Certeza, incertos traços                                    O quiser fazer da minha frente
Amei                                                               Nem passado nem presente
                                                                      Futuro, adiante
Queria que pudesse me ver agora                                  
De pé, em pé, a pé                                          Queria que pudesse me ver agora
Até                                                                 Minha alma governante
Onde vai a trilha                                             Capitão da minha vida
Que me leva à maravilha                                  Em vias de despedida
                                                                      Da longa jornada perdida  
Queria que visse como fui
Como flui                                                         Sou mais que fui
Hoje, o que tenho pra dizer                               Como flui  
                                                                       A imagem do dia de hoje
Sob uma luz, assim, no palco                              
De modo simples, sim, descalço                          A promessa do que vem me leva embora
                                                                        Queria que pudesse me ver agora.
De qualquer forma
Reitero, muito embora
Mais por dentro que por fora
Me repito a toda hora
Queria que pudesse me ver agora.

História curiosa: duas versões da poesia

História curiosa: na segunda-feira, perdi meu caderninho de poemas com quatro poesias inéditas ainda não-publicadas no blog. Revoltado comigo mesmo por não ter passado a limpo os escritos ou pela falta de atenção, reescrevi os quatro poemas testando a memória para lembrar os temas  que tinha abordado e algumas construções que tinha usado. Eis que, quando imaginava que aqueles quatro 'originais' estavam perdidos pra sempre em algum limbo das coisas que perdemos e não sabemos exatamente onde, recebo um telefonema dizendo que meu caderninho foi encontrado.

E agora, tenho duas versões para quatro poemas. Como acho um exercício interessante analisar as semelhanças e diferenças entre o 'original' e o 'reescrito com base na memória sensível', nos próximos quatro posts vou publicar as duas versões de cada um.

17/04

Em breve (1ª versão)                                           Em breve (2ª versão)

Chega a hora                                                Chegará a hora
Em breve virá                                              De dizer que vou
Levar-me embora                                         Muito em breve, me virá de fora
Tirar-me de lá                                              Pra saber quem sou;

Me faz um novo                                            Sem sorrisos demais
Me tira o chão;                                             Sem pedir nada mais
Um homem do povo                                      Começar de novo
Serei artesão                                                Ser homem do povo

Criatura, criador                                           À vontade, me dedicar
Completo, eu, por um segundo;                     De cabeça, eu, profundo
Da vida própria, ser motor                            Só a mim para explicar
Fazer do que era sonho, mundo.                    Fazer do sonho ser meu mundo.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Filmes e Memorabilia 2013 - José e Pilar

69. José e Pilar – 22/04 - TV – repetido
Nunca li nada de José Saramago. E não me perdoo por isso.

Em 2011, me apaixonei não só por Saramago como por sua companheira Pilar del Río. Tudo graças ao doc ‘José e Pilar’, de Miguel Gonçalves Mendes, que tive a oportunidade de assistir no Festival do Rio e rever hoje, no Canal Brasil.

Gigante de um carisma inigualável do alto de seus 83 anos - no início das filmagens, que registram quase três anos do dia a dia do casal ao mesmo tempo em que acompanham o processo de produção do livro ‘A viagem do elefante’ – José Saramago domina, por vezes quase involuntariamente, cada passagem do filme. Pilar não faz por menos e está sempre por perto, como esposa, assessora, uma verdadeira extensão de Saramago, além de uma mulher fortíssima (nunca esqueci suas colocações na entrevista que ela dá a um jornalista, quando defende o uso da palavra ‘presidenta’: “A palavra não existia porque não existia o cargo. Quem me chama de ‘presidente’ é ignorante”).

Contando com uma intimidade adquirida com José e Pilar, Miguel Gonçalves Mendes faz um documentário em cinema direto extremamente pessoal, capturando momentos íntimos da vida do casal, passagens de desconstrução do mito do grande autor literário - que tal a cena (foto ao lado) em que Saramago está concentrado diante do computador em seu escritório, pensando e pensando até que a câmera mostra a tela do pc e vemos que ele está jogando paciência 'para afastar o Alzheimer' - além de belíssimas imagens da ilha de Lanzarote, na Espanha, onde os José e Pilar mora(va)m. Tudo associado a uma linda trilha sonora (com belos fados e a participação da brasileira Adriana Calcanhotto).

Assim, durante duas horas conhecemos um pouco mais sobre esse casal separado por 28 anos e em total sintonia. Não à toa, Saramago dedica quase todos os seus livros à companheira e diz que Pilar impediu que ele morresse. E como se não bastasse ficarmos embasbacados pela vitalidade e lucidez (incentivadas e até possibilitadas pelo trabalho de Pilar) de um homem acima de seus 80 anos, ainda temos a oportunidade de ouvir Saramago disparar uma pérola atrás da outra, destilando um bom humor realista, que alguns poderiam chamar pessimista. O escritor é de uma sinceridade crua e lírica ao mesmo tempo; enxerga a finitude da vida, o absurdo do mundo e os encara com um despretensioso fio de esperança na forma de palavras escritas na língua que ele mesmo considera a mais bonita do mundo: o português.
Não me perdoo por ainda não ter lido nada de Saramago. Mas tenho o que este homem, que se tornou escritor profissional aos 60 anos, afirma não ter mais, em determinado momento do filme: tempo. E intendo aproveitá-lo para conhecer mais este gênio de língua igual a minha.

MEMO: Aqui, de fato, são muitas as cenas memoráveis. Mas entre a reação de Saramago assistindo a ‘Ensaio sobre a cegueira’ ao lado de Fernando Meirelles (também produtor do doc), a sequência em que o português, exausto, e Gabriel García Marquez dormem sentados durante um bate-papo com universitários e muitas outras sequências estupendas, separo o caso de Stefano, que entra em cena perto do fim do filme, durante a noite de autógrafos de ‘A viagem do elefante’, em São Paulo. O sujeito tem diante de si um prêmio Nobel, um dos escritores mais consagrados do mundo e, talvez acima de tudo isso, um senhor de 85 anos, que se dedica a assinar TODOS os livros que lhe são solicitados e chega a se desculpar por conta da impossibilidade de fazer dedicatórias, uma vez que a demanda é muito grande e o tempo é curto. Aí me chega o Stefano, sob os protestos da assessora e manda: ‘Saramago, você pode desenhar um hipopótamo pra mim?’. Inacreditável.

video

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Um poema por dia - 17/04 - Em breve

17/04

Em breve

Chegará a hora
De dizer que vou
Muito em breve, me virá de fora
Pra saber quem sou;

Sem sorrisos demais
Sem pedir nada mais
Começar de novo
Ser homem do povo

À vontade, me dedicar
De cabeça, eu, profundo
Só a mim para explicar
Fazer do sonho ser meu mundo.

Um poema por dia - Te ver voltar - 16/04

16/04

Te ver voltar

Noite fria
O vento assovia
E à melancolia
De um canto
Seu encanto 
Se faz lembrar;

A casa vazia
Saudade irradia
Me passa um dia
De silêncio;

E num momento, 
Te faço estar.

A fotografia
Traz alegria
De mesma via
Que vem saudade
E mais vontade
Te ver voltar.

domingo, 21 de abril de 2013

Um poema por dia - 15/04 - A escolha de Sofia

15/04

A escolha de Sofia

Bastará o amor?
O querer de Sofia se confunde
Entre o que há
E o que de ser haverá
Um dia por aqui
O outro por aí
Em busca de vida, sozinha
Pelo mundo se vai, se guia
Tudo o que desejo agora
Sem hora
Pra acabar o teu momento
Se entregar, viajar;
Retornar através do tempo.


sábado, 20 de abril de 2013

Um poema por dia - 14/04 - O menino do meio-fio

14/04

O menino do meio-fio

Um garoto no meio-fio
Sentado, tarde da noite
Encasacado, cara fechada, frio
Longe de casa, herdeiro do açoite

O menino me odeia
Me olha e me odeia
É com raiva e com razão
Que me vê, assim, do chão

Não escolheu, não pôde escolher
E eu por aqui, de carro a correr
O menino e eu, num segundo a diferença
Lado a lado, frente a frente
Posso ouvir o que ele pensa

A pessoa é para o que nasce
Cada um nasce pro que é
Não é justo a distância, classe
Eu sentado aqui, você aí, de pé.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Um poema por dia - 13/04 - Lamento Dub

13/04

Lamento Dub

A poesia dub
É a voz do mundo sub
A cada grave, etéreo
Uma nova onda, mistério

Lá fora o mundo acontece
Aqui, a gota da chuva é um passo
Imaginado, ouvido,  me aparece
Ao som de Blake, a sombra do seu traço

Me desfaço, me entrego
Você na minha frente, intangível
Num lamento, ao piano, me encarrego
De fazer, neste momento, o impossível. 

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Um poema por dia - 12/04 - Nadando

12/04

Nadando

Começa sem som
O corpo vai; perna, pé, braço e mão;
Qual talento, qual dom
Prática, técnica, solidão

Quase como voar
Imerson por entre as águas;
De um tanque pro físico, pensar
Relembrar, esquecer, vomitar as mágoas

Em bolhas de ar de respiração
Mais rápido, mais rápido
A batalha contra o tempo na visão
Num rastro de memórias e cansaço

A pele quente, o corpo cresce
A cada metro, pernada, braçada
Numa reta de 25 em que não se mede
O tamanho da vida na chegada.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Um poema por dia - 11/04 - Média

11/04

Média

Preso no meio
Por cima, esmagado
De baixo, ameaça
Coagido, condenado

Três lugares, sem saída
Pra respirar, pra tentar
Sem legado, perspectiva
De ser outro, de crescer, de alcançar

Num dilema, dia a dia a questionar
Numa cena, nem aqui nem acolá
Mundo assim, quem vai mudar
Vida enfim, meu lugar, qual será?

terça-feira, 16 de abril de 2013

Um poema por dia - 10/04 - Meta-poema

10/04

Meta-poema

Penso enquanto verso
Penso no que versar
Estico a pena e pego
Uma ideia pelo ar

Rimar sobre rimar
Pensar pelo fazer
O verbo, improvisar
O tema, esclarecer

Meta, vira viagem
Língua, faço um aparte
Seja, então, metalinguagem
Hoje, minha obra de arte.

Um poema por dia - 09/04 - Com veneno, com ardil

09/04

Com veneno, com ardil

Nos encontramos finalmente
Escondidos, de repente
Numa noite envolvente
Só nós dois, nós dois somente

Quando veio assim, olhei
Sem querer, me apaixonei
Se queria me amar
Fácil foi me conquistar

E fomos, como homem e mulher
Conhecendo, por descobrir
Amando, vivendo, como se quer
Fomos. Voltei. Tudo pôs-se a ruir

Não me deu chance
Não me falou;
Frieza, vermelha
Me machucou

Penso, pois, assim então
Que me levou, me seduziu;
Enganou o meu coração
Com veneno, com ardil;

Meu abraço, nunca o mesmo
Passa tempo e não esqueço;
Cicatriza o nosso beijo
Ainda assim, te agradeço.

domingo, 14 de abril de 2013

Um poema por dia - 08/04 - Tenho fé

08/04

Tenho

Eu tenho fé
Nos baianos do cinema
E no judeu neurótico;
No hardcore de mesmo tema
E no cineasta psicótico;

No artista brasileiro
E no vocalista estrangeiro;
No dramaturgo espanhol
No garoto do futebol;

Tenho fé
No bardo dos palcos
Na rainha reservada
No caminhante do asfalto
E no livro da estrada;

Na Dinamarca
Em Tropicália;
Na rima racional
Na luta racial;

Tenho fé
No presidente do povo
Nos novos de João
No novo cinema de novo
Na tristeza de um refrão;

No mestre inglês
No teatro francês
Na arte independente
Na mulher inteligente

Tenho fé
Na banda americana
Na crença oriental
Na salvação africana
No deputado estadual;

No poeta carioca
E no homem do violão;
No escritor que me provoca
Em meus amigos, meus irmãos.

sábado, 13 de abril de 2013

Filmes e Memorabilia 2013 - A visitante francesa

66. A visitante francesa - cinema - 13/04


A simplicidade pode ser uma faca de dois gumes.

Assim como seu filme anterior, HaHaHa, de onde tirei o lema que dá nome ao projeto 'um poema por dia', o diretor Sang-soo Hong faz um filme aparentemente simples, mas dotado de uma espécie de poesia do dia a dia.

Antes de mais nada, há de se reconhecer que o diretor tem seu estilo, na escolha de suas estruturas narrativas e no naturalismo poético de seu cinema. Com vinte segundos de trailer deste 'A visitante francesa' arrisquei que se tratava de um filme do mesmo realizador de 'HaHaHa'.

Assim, se naquele filme o diretor separava a narrativa entre o presente (usando fotos em preto e branco e áudio da conversa de dois amigos) e passado (com a reconstituição dos dois esbarrando com as mesmas pessoas sem se darem conta), aqui há uma estudante de cinema que escreve três esboços de história - como Woody Allen fez em 'Melinda e Melinda', contando a saga de uma mesma personagem em dois genêros diferentes, no caso, tragédia e comédia.


Chamo o estilo simples-poético de Sang-soo Hong de uma faca de dois gumes porque ao mesmo tempo que mostra gente comum em situações humanas 'comuns' com uma certa dose de poesia, por vezes o resultado é simples demais, beirando o entediante. Não à toa, nem me sinto muito em condições de escrever essas impressões porque cochilei no segundo dos três segmentos.

Fato mesmo é que a diva Isabelle Huppert, aos 60 anos, presente em quase todas as cenas, ilumina a tela e levanta o filme, especialmente, nas passagens em que contracena com Jun-Sang Yu, o simpático salva-vidas. 

É um prazer ver a atriz variando a composição de personagem em detalhes conforme as histórias (e a protagonista) mudam.

MEMO: O salva-vidas cantando para Anne.

video

Um poema por dia - 07/04 - Máscara

07/04

Máscara

De onde veio esse sorriso gigantesco
Ou é pretexto?
Pra eu me apaixonar

Se é tudo texto, te põe no eixo
Separa um trecho
Pra eu me aproximar

Te provo, te como, te jogo
Aposto que a cara cai logo
Tão pronto me ponho a rimar

Se faço do nada uma linha
Se podes chegar-me sozinha
Inda minha, prometo, vou te conquistar.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Um poema por dia - 06/04 - Atirado à vida

06/04

Atirado à vida

Vida é sonho?
Sonho é vida
Erguida
Sobre o sonhar
Sofrido
De vagar, amigo
Sem pesar
Ao mar, homem ao mar!

O homem vivido
Incompreendido
Se atira a nadar;
Oceano escurecido
Por mãos e pés atendido
Põe-se a respirar;

Respira ar
Respira.
Ar.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Um poema por dia - 05/04 - Sabor do amor presente

05/04

Sabor do amor presente

O sabor do teu amor é quente
Presente
O calor do teu amor é outro
Solto
É doído teu amor doente
Mente
É bandido teu amor grosseiro
Inteiro
Entendido teu amor sozinho
Carinho
Isolado teu amor solista
Conquista
Minha terra, meu amor ateu
É seu.



quarta-feira, 10 de abril de 2013

Um poema por dia - 04/04 - Mudei

04/04

Mudei

Mudei
Pra onde fui?
Se fiquei
Sou tolo, mui

Mudei
Não vi, perdi
Se chorei
Foi só por ti

Mudei
E talvez não pra melhor
Estudei
O futuro eu sei de cor

Mudei
E pra quem, pra mim
E pensei
Estou aqui, estou assim

Mudei
Sou outro, além
E não sei
Eu sou mais quem?

terça-feira, 9 de abril de 2013

Um poema por dia - 03/04 - Depois, amor

03/04

Depois, amor

Da sombra de um quarto escuro
Invadido pela noite azul
Te aguardo, sangue destilado, impuro
Te espero, de corpo aqui deitado, nu

Somos juntos qualquer coisa incomum
Algo a mais, sem precedente;
Somos não, somos todos, somos um
Unidos, ligados, pelo que se sente

Eu, você, assim
Aqui, nós dois
A sós, sei lá, sei sim
Só sei, amor, depois.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Um poema por dia - 02/04 - Lide

02/04

Lide

O quê
Onde
Por quê?

Quem
Você
Quando
Você
Vem?

Como
Saber
Do seu
Querer?

O quê
Você
Quando
Eu
Quem
Fomos
Como
Vós
Por quê?
Sós
Somos
Nós.

domingo, 7 de abril de 2013

Um poema por dia - 01/04 - Vida em nada

01/04

Vida em nada

Não me disse
Nada
Não me trouxe
Nada
Nunca me fez
Nada
Não me ensinou
Nada
Nunca me deu
Nada
Nem me levou pra
Nada
Não fez questão de
Nada
Nem reclamou de
Nada
Jamais quis mais que
Nada.

sábado, 6 de abril de 2013

Um poema por dia - 31/03 - Pequena, pequena

31/03

Pequena, pequena

Pequena, pequena
Em breve sairás de cena
Deixarás saudade
Entre nós, amigos de tua idade

Órfãos da tua graça
Que passa
Como brilho de um carisma que é só teu
Valeu
Por todas as manhãs de beijos
Cortejos
Os passeios, os carinhos
Sozinhos
Companheiros, companhias
Sons, batidas, melodias

Uma pena, pequena
Que te vás logo, em breve
Me alegro por apenas
Saber que partes leve
Deixando teus problemas
Partindo de olhos vivos
Muito vivos, serena
Que vá bem, que seja plena
Pequena, minha sempre pequena.

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Um poema por dia - 30/03 - O que não foi visto

30/03

O que não foi visto

Me tentam
Se esquentam
Mas não cedo

Por teor
Por amor
Por medo

Que me venham
E não me volte mais
Que me atire
E não olhe pra trás

Resisto
Enquanto insisto
Existo
Pelo que não foi visto.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Um poema por dia - 29/03 - Monólogo

29/03

Monólogo

Sozinho
Que é meu o caminho
Solo
Que sou, por onde vou

Atrás do que não sei
Por poucas estradas andei
Mas onde estive, quando passei
Não estava só de passagem, fiquei

Embarco agora logo
Em meu próprio monólogo
Mono logo
Minha única razão
Meu senão
Sozinho, caminho então.

terça-feira, 2 de abril de 2013

Um poema por dia - 28/03 - As veias abertas

28/03

As veias abertas

No sétimo selo
Excesso de zelo
Tudo que sentiu

Viciado em espelho
Conturbado, vermelho
Belo dia caiu

Batido, vencido
Sentiu-se a vagar
Atrasado, esquecido
Sem valor, sem lugar

Quando a dor escondida
Se apresenta, descortinada
Saberá, por própria vida
Sua sina, revelada

Destinado, acossado
Engole seco, grita passagem
Olha pra trás, teme o passado
Vê adiante, adelante, a viagem

Ninguém jamais voltou
Igual, nada, melhor, pior
Andar por onde jamais andou
Ter pra si, entre as coragens, a maior.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Um poema por dia - 10 poemas favoritos (jan/fev/mar)

Pelo projeto 'Um poema por dia', já foram 90 poemas escritos em 2013. Selecionei dez favoritos destes três primeiros meses.



1. 02/01 - Faces

Faces, faces, que fazes, que fazem?

São como fases as faces,
Fases da rua, faces na rua
Nenhuma minha, todas suas.

Faces na tela, na calçada,

de passagem em movimento.

Faces a caminho da minha direção

Ou na direção do meu caminho.

Faces que me encaram

Faces que me olham
Faces, teu, do mundo
Faces, fases, me devoram.

2. 14/01 - Tenho estado

Tenho estado
Meio relaxado
Meio baleado
Assim, meio de lado
Jogado, rolado, deixado
Como que mareado
Ou mesmo relegado
Renegado, encostado
Apavorado e assustado
Sendo anestesiado
Subestimado, aqui deitado
Ainda que solucionado
Cá estou, acorrentado
Quase que resignado
Com o atestado acertado
Comunicado e publicado
E eu, mal-frequentado
Comissionado e condenado
Ando meio desligado.

Tenho estado
Meio parado
Admito, acomodado
Por demais sossegado
E entediado
E endiabrado
Aqui, trancado
Como um exilado
E ainda excitado
Sendo transformado
Logo perturbado
Muito mal-falado
Quase nem citado
Tão pouco lembrado
Tudo que foi dado
Não foi reclamado
Está terminado
E abandonado
Deixa perdoado
Ando meio desligado.

3. 21/01 - Um dia a menos ou um dia a mais...

And here it is, another day
A day, another, and so I say
I say, I feel, within my pain
And so the pain, the day again
Again it starts, come clouds and rain
This rain that brings my time to pay
And pay I do, with days the same
The same as now and yesterday
A day, once more, about to fade
About the faith, about the fate
My fate is mine and so I lay
I lay and got myself to blame
Blame one more day, another day.

4. 23/01 - Encontro, um poema-conto

Entrou no elevador e lá estava

O homem alto, calvo, de barba.
Era velho. Olhos mansos, traços finos, familiar
Do tipo que o fez parar, do tipo que o fez pensar
Conhecia o velho de algum lugar.
Talvez do bairro, da região
Não.

Era familiar; até demais.

Estava de pé, como um retrato do tempo
Imaginar isso, quem seria capaz?
Ter diante de si um futuro momento!

Quis saber das verdades que tinha pra si

Dos sonhos que queria cumprir
De tudo que lhe tinha feito sorrir

Saber um pouco mais do mundo

O que foi feito, o que foi desfeito, o que aconteceu.
Olhar pra si de um modo mais profundo
Que fim levara, durante os anos, tudo que conheceu?

Como estarão vivendo a família, os amigos, o amor?

O que estará fazendo, quando velho, naquele dia, no elevador?

Pensou no que falar; pensou em perguntar

Pensou, pensou e pôs-se apenas a pensar
O elevador parou; chegara ao seu andar
Partiria sem pergunta, resposta ou solução.
Viu a porta se fechar, assoviou uma canção.
Tinha o corpo a carregar, lhe pesou o coração.

5. 16/2 - O mergulho

Posso ouvir o barulho
Posso ouvir o mergulho

Entre a multidão de sons da minha tarde
Posso ouvir o mergulho
Me hipnotiza
Me tranquiliza

Posso ouvir o mergulho
Em contínua melodia
Uma breve sinfonia

Ouço e não deixo de ouvir
Ouço e estou maravilhado
Ouço o mergulho a prosseguir
Ouço e estou quase apaixonado

O som se cala, fala o sentimento
Por uma tarde, por um momento
Quase posso ver, posto a imaginar
É meu o mergulho, sou eu a mergulhar.

6. 24/2 - O poeta e a rainha

Escrevo a vida a dois
E deixo pra depois
Tudo que puder ser

Escrevo pois
Em linhas boto que sois
O que não encontro no saber

Sua inconstância, seu mistério
Seu poder de surpreender
O semblante fechado, sério
A postura de uma dama do poder

Do poder de si, ti
Mulher rainha que se vê na vida
E ainda para pra sorrir
Mulher menina amante mais querida.

7. 04/03 - beijo

Há pouco tinham se visto
Uma única vez, numa noite de verão
Ele com outra, ela também
Jantares, olhares, por entre o salão

Logo mais, mais hora depois
Nos fundos, as mãos ele lavava
Ergueu os olhos, se viu a dois
Olhou pra ela, ela ali estava

Chegaram perto, se aproximaram
Olhar com olhar, não se falaram
Coração entregue, acelerado
E o tempo, por um instante, parado

Ele caminha, ela se chega
Num passo, num véu de delicadeza
Olhos fechados, distância nenhuma
Lábios nos lábios e a boca, uma

Um beijo, a fantasia, naquele curto segundo
Um beijo, isolados, sozinhos no mundo
Respiro ofegante, força diletante
Um beijo desfeito, perfeito, relance de amante

Olhos abertos, de volta pra Terra
Corpos de soltam, retorna a razão
O mais breve caso de amor se encerra
Um beijo deixado numa noite de verão.

8. 06/03 - Lágrimas de anjo

Anjo,
Esta noite me ponho a te escrever
Me atrevo
Confesso não sei mais o que dizer
Escrevo

Conto mais uma vez o sofrimento dela
Olhos inchados, voz embargada
O amor de seu primeiro filho gela
Sente-se vazia invisível, derrotada

Ouço seu lamento quieto, silencioso
Sofre sem carinho, sem sorriso, sem cuidado
Sente a mágoa viva em teu discurso oficioso
Ferida por palavras e olhares de teu lado

Pudera eu rever-te ontem e entender
Pudera eu lhe dar meu corpo para esquecer
Poder, não posso
Me esforço

Também carrego dores em minha alçada
Esta noite choro horrores na estrada

Rasgo a voz até me doer a garganta
Pra ver se me acalma, me esfria
Evocando força, imploro, me arranca
A lágrima que é dela, faz minha

Haverá culpado? E que importa?
Uma vez caçada, a fera morta? 

Por isso lhe peço que perdoe enquanto tempo
Pense uma vez mais no assunto, a seu momento

Peço que não a faça sofrer
Que tente de novo
Penso que não é muito a dizer
Tente de novo

Que possa recomeçar de pouco em pouco
Trazendo um sorriso, um beijo, um abraço
Que a tire da amargura, tristeza, do sufoco
Respondendo seu apelo, retomando o frágil laço.

9. 07/03Te via

Eu te via
Por aí, no dia a dia
Antes que fosses rainha
Por perto, sem saber o que tinha

Olhar firme, decidido
Corpo erguido, objetivo
Mulher viajante
Força, beleza, triunfante

Paixão
Não à primeira vista
Ao primeiro toque
Ao primeiro beijo
Desejo

Vivendo com a fome de anos perdidos
Perdendo as feridas de anos vividos

Nunca nos falamos.
Entre anos, nos encontramos.

10. 26/03 - Da janela do mundo

Vem, 
Se acende e se liga pra mim
Convence que é melhor assim
Sabendo sem sair do sofá
Parado no mesmo lugar

Vem,
Me conhece e me olha de perto
Me doutrina, me diz o que é certo
Ideologia é informação
DI-VER-SÃO
Divergir, divertir
Me conquista, me deixa entretido
Me derruba, me torna vencido
Conformismo e dominação
Condição

Vem, 
Me faz rir, me descansa a cabeça
Vai, me vende mais uma cerveja
Me diz o que ouvir
O que sentir
Me fala o que pensar
Em quem votar
Me ensina como ver
Como viver

Vem,
Me enterra que eu fico feliz
Me fala 'foi você quem me quis'
Me dá mais um reality show
Fala comigo e me diz o que eu sou.